Artista Eudoxia de Barros aprova os Pianos de Cauda e Pianos Verticais Fritz Dobbert
Piano | Piano Acústico | Piano de Cauda | Piano Digital | Piano Kawai | Piano Vertical
Voltar

Eudóxia de Barros

Recomenda Piano Fritz Dobbert

"Sempre admirei os pianos Fritz Dobbert, que não ficam nada a dever a outros pianos estrangeiros . Infelizmente, o nosso povo ainda tem uma mentalidade colonial, achando que só o que vem de fora é que é bom. A regularidade do teclado, mais uma sonoridade bonita, fazem dos Pianos Fritz Dobbert, um excelente piano para recitais e concertos. Tenho aconselhado sempre por este Brasil afora, que comprem este piano nacional, que alem de tudo, tem uma boa durabilidade.

E tambem desejo muitos e muitos anos de prosperidade e atendimento à sociedade musical do Brasil"

Biografia

O grande e saudoso maestro Eleazar de Carvalho vaticinou o futuro desta grande pianista quando ela despontava - aos 16 anos!!! - na vida musical brasileira, com as seguintes palavras: - "Certo de que a Srta. Eudóxia de Campos Barros será, dentro de muito pouco, a pianista brasileira de maior aceitação, deixo aqui os meus cumprimentos pela brilhante execução do Concerto de Villa-Lobos". Palavras essas vindas de um maestro exigentíssimo e habituado a lidar com grandes solistas internacionais!! Dali em diante, a artista só fez lapidar o brilhante puro com que Deus a presenteou: o seu imenso talento. Impôs-se uma disciplina férrea, trabalhou muito e conheceu escolas diferentes, extraindo-lhes o melhor e descartando obviedades. No dizer do crítico Carlos Vergueiro, ainda na década de 70, àquela altura da carreira, ela não mais necessitava de apresentações, com quem estudou, o que estudou e por onde andou, pois já era uma artista completa, lutando pela ingrata e difícil posição que escolheu ou que a vida escolheu para ela: ser uma pianista. Eudóxia percorreu Europa e Américas, colecionando "curriculum" invejável e críticas maravilhosas em muitos idiomas, dentre elas várias do saudoso brasileiro José da Veiga Oliveira, que a colocava "prima inter pares" das pianistas brasileiras da sua geração. Apresentou-se nos mais longinquos rincões deste nosso Brasil, que ela ama verdadeiramente. Hoje, em seu auge técnico e artístico, poucos de sua geração podem ombrear com a sua bagagem de conhecimentos adquiridos com garra, labor e amor incondicional ao piano. Não decepcionou, pois, o seu profeta. Tornou-se um nome conhecidíssimo, mesmo por pessoas leigas e, indelevelmente ligado a Ernesto Nazareth, a quem respeitou e gravou obras na escrita original, restaurando-lhe o devido valor musical. Seu repertório internacional é vasto, porém é vastíssimo o número de composições brasileiras de todas as épocas e estilos que domina. Sabiamente, não deita sobre os louros. Apesar de haver estudado com os maiores nomes do ensino pianístico no Brasil e Exterior - para citar apenas como exemplo Guilherme Halfeld Fontainha, no Brasil - valeu-se dos preciosos conselhos do compositor e professor Osvaldo Lacerda, seu marido, o qual dirigia um enfoque específico para sonoridade, análise minuciosa das obras que abordava e um profundo respeito pelos textos dos compositores, razão pela qual é considerada sua melhor intérprete. Não bastasse, Eudóxia possui a inquietude dos exigentes e está sempre à procura de maior crescimento - a humildade que caracteriza os grandes! - Assim, ultimamente, após preparar o seu programa anual, leva-o à apreciação do insigne maestro Henrique Morelembaum, um dos nossos maiores da atualidade, conhecido e respeitado pela sua extraordinária acuidade auditiva musical e exigência nos fraseados, além de grande autoridade em Música como um todo.

É fundadora e Vice-Presidente do Centro de Música Brasileira, até Julho de 2011, quando pelo falecimento de Osvaldo Lacerda, veio a substitui-lo como Presidente ; acumula muitos prêmios e honrarias tais como APCA, FUNARTE, no Brasil e North Carolina Symphony, nos EUA. É imortal pela Academia Brasileira de Música e membro de diversas entidades. Solista de orquestras estrangeiras e das mais importantes nacionais, atua sob regência de grandes maestros. Gravou muitos LPs, CDs e um recente DVD. Sua figura meiga e bonita está sempre presente em programas de TV e Rádio; e a Rádio Cultura FM (talvez a única paulista a transmitir somente música erudita) vem transmitindo suas gravações com maior frequência, reconhecendo o seu grande valor. Na área do magistério, faz parte de bancas julgadoras de concursos pelo Brasil afora e transfere seus conhecimentos a privilegiados alunos, em meio às inúmeras viagens. Conseguiu ainda escrever um livro - "Técnica Pianística", o qual traz, a título de prefácio, uma carta de estímulo, da qual transcrevemos um trecho e, ao final, a assinatura do missivista: - "Você tem muita autoridade para escrever um livro destinado aos que se iniciam na luta pela aquisição de conhecimentos básicos da técnica pianística, pois passou toda uma existência estudando e executando as mais complexas páginas do repertório do piano, tanto nacional como internacional. Sua vivência como pianista, que venceu galhardamente mil e uma dificuldades para atingir a culminância de sua carreira, empresta-lhe a indispensável autoridade para indicar aos jovens o caminho a seguir." Assinado, M. CAMARGO GUARNIERI". E ele, se ainda estivesse entre nós, continuaria muito feliz ao ouvir as suas obras pela sua mais fiel intérprete.

Esta grande artista, orgulho dos paulistas, ao contrário de tantos, optou por viver no Brasil, embora ciente de todas as nossas limitações e dificuldades nas áreas culturais, muitas vezes regidas por políticos não voltados para as artes. Nunca aceitou bater asas para fixar-se no estrangeiro em nome da carreira com moedas mais fortes. E nós, brasileiros que também amamos a nossa terra, sempre lhe seremos gratos.

(por Helena Marcondes Machado)

Em 2009, recebeu a Comenda do Mérito Anhangüera, que é a mais alta condecoração conferida pelo Governo do Estado de Goiás. No dia 25 de Janeiro de 2010, fez a abertura da solenidade de posse do novo Reitor da USP, Prof. Dr. João Grandino Rodas, na Sala São Paulo, executando em solo, a “GRANDE FANTASIA TRIUNFAL sobre o HINO NACIONAL BRASILEIRO”, de Gottschalk, seguida de concerto pela OSUSP, sob a regência da Maestrina Ligia Amadio.

Em 27 de Abril de 2010, solou com a Orquestra Sinfônica de Brasília, sob a regência de seu regente predileto, HENRIQUE MORELENBAUM, no Teatro Nacional, em Brasília, a difícil e bela peça “CROMOS para piano e orquestra“, dedicada a ela pelo compositor OSVALDO LACERDA. Participou em Belém, do XXIII Festival Internacional de Música do Pará, de 6 a 13 de Junho de 2010, apresentando-se em recital e dando Curso .

Em 2011, participou de Festivais de Música em Piracicaba, Jacareí e Recife ( Festival Liszt – Mendelssohn ). Ainda neste ano, participou do Festival do Vale do Café, com dois recitais , em Vassouras e Rio das Flores ; da XIX Bienal de Música Contemporânea, no Rio de Janeiro, numa homenagem a Osvaldo Lacerda; ainda: 9 recitais na Capital ( SP ), 7 recitais no Estado de São Paulo, em Maceió, Rio de Janeiro ( Música no Museu ), Foz do Iguaçu, Porto Alegre, Pelotas, Belo Horizonte, 2 vezes em Curitiba e Goiânia, totalizando 31 apresentações. Ver site : www.eudoxiadebarros.com.br

Entre em contato conosco

11 3973.7900
Fale Conosco
Cadastre-se

Para ver este conteúdo, preencha o formulário abaixo:

Fechar
Cadastre-se

Antes de acessar, fale um pouco mais sobre você!

Fechar